Novas regras para a venda de alimentos que contém gordura trans

As mudanças começam a partir de 1º de julho. Entenda o por quê e o que é gordura trans.


A partir de 1 de julho entra em vigor a resolução nº 514/2021 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que estabelece novas regras para a venda de alimentos que contenham gordura trans. A principal mudança está na determinação do limite de 2 gramas de gordura trans a cada 100 gramas de gordura nos alimentos. Acima desta concentração a comercialização estará proibida. Com isto, o consumidor deve ficar ainda mais atento às informações nos rótulos das embalagens.

O ideal, segundo os especialistas, é evitar estes alimentos, porém se for o caso de consumir, que seja de forma regrada e responsável. “Que não ultrapasse 1% do valor energético do que se consome diariamente”, recomenda a nutricionista Kátia Souza. A orientação, inclusive, é embasada no que estipula a Organização Mundial da Saúde. “Na prática, uma dieta balanceada tem de ter duas mil calorias por dia e 2 gramas é o limite máximo para o consumo de gordura trans - que deve, repito, ser evitada”, enfatiza.

A nutricionista Kátia Souza (Foto: Divulgação)

Mas, por que essa mudança estabelecida pela Anvisa e por que essa restrição quanto a gordura trans? A resposta é simples e explicada por Kátia. “A gordura trans não traz benefícios nenhum para a saúde, pelo contrário contribui para o desenvolvimento de uma série de doenças, entre elas cardiopatias e hipertensão”, destaca. “É um tipo de gordura que contribui para o aumento do colesterol ruim no corpo no organismo”, acrescenta.

A gordura trans é uma espécie de gordura hidrogenada cuja finalidade é fazer com que a conservação de determinados alimentos dure por mais tempo. Ela está presente em todos os alimentos industrializados e ultraprocessados. “Sorvetes, macarrão instantâneo, bolos prontos, pipoca de microondas, margarina e biscoitos são alguns exemplos de alimentos que contém gordura trans”, cita a nutricionista. “Perceba que são itens que geralmente são usados para os lanches das crianças. É por isso que no Brasil o consumo de alimentos com gordura trans começa muito cedo”, pontua.

Kátia Souza atua no Grupo Mateus e sempre orienta o consumo de alimentos in natura, que são mais saudáveis. “Claro que além da dieta balanceada, a pessoa precisa fazer atividades físicas e buscar sempre manter estes hábitos saudáveis, que melhoram a qualidade de vida”, recomenda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário